sexta-feira, 12 de setembro de 2014

ORIGEM DO ...YAO...!!

ORIGEM  DO  ...YAO...!!

  



Qual é a verdadeira origem da pronúncia YAO? Muitos estão dizendo que esta pronúncia é hebraica, mas será que é mesmo? Desde muito tempo, as pessoas vem buscando algo de bom e que as beneficiem acreditando que aquilo é verdadeiro e vão adentrando cada vez mais em suas crenças. Alguns sabem muito bem que o verdadeiro Criador foi deixado de lado por muitos e os mesmos criaram pra si um Criador, um Salvador para suas almas, doutrinas e etc. Mas o Verdadeiro e Único Criador revela-se para que as pessoas saibam que existe algo superior a suas tolas crendices religiosas pois a religião nada de bom trouxe a não ser guerra entre as pessoas, desunião, inimizade e tal. Após o surgimento do nome Sagrado, veio cada qual defender o que acha ser certo aos seus olhos, porém, nem todos estão certos do que falam e pensam sendo o nome de uma origem específica, revelado a um povo específico para que todos os habitantes da face da terra saibam quem Ele é. Sabemos que um povo chamados de yahudim (iarrúdim) foram chamados assim por serem um povo descendentes de pessoas feitas pelo Criador, Adam e Chavah, e tem o nome do Criador por serem um povo escolhido por Ele, então desde a origem de habitação deste casal nasceram-lhes filhos, netos, bisnetos... Ao longo dos anos após a difusão das línguas entre os habitantes da terra, uma das línguas que é conhecida até hoje é o hebraico e nesta língua existem algumas regras gramaticais que precisam serem respeitadas conforme outras línguas. Então o Criador é chamado de Eu Sou o que Sou por este povo, escrito como YHWH tendo sua pronúncia correta. Porém, as pessoas sempre querem inserir algo da sua própria vontade em algo que não pode ser mudado e sim pronunciado e escrito da forma original. Alguns anos foi revelado as demais pessoas da terra o nome do Criador e de seu Filho, neste tempo também surgiram pessoas mostrando nomes cada qual da forma que acham melhor ser, então surgem os nomes falsos Jesus e Jeová. Dizem os que falam que esses dois nomes são os verdadeiros, Jesus vem de Yeshua e Jeová de YHWH, mas isso NUNCA poderia ser. Porquê? YHWH é nome e nome não se traduz é de origem hebraica e neste idioma NUNCA existiu o J e nem existe. Yeshua é aramaico e não existe J. Assim cada língua e nação INVENTAM e dão nomes conforme acham melhor que seja, não é por aí. YHWH vem das seguintes letras em hebraico יהוה, assim sendo o yod,he,vav e he. O yod é representado no alfabeto português pelo Y e não J. YHWH ler-se YAHUAH (IARRÚA): Eu Sou o que Sou! Surge os da pronúncia YE e YAO, mas o tema é sobre este YAO que vou abordar, os quais que defendem isso ser a pronúncia correta do nome do Pai e dizem ser uma pronúncia hebraica, mas NUNCA foi, NUNCA mesmo. Então de que origem é este YAO? Vamos lá! Pesquisando sobre esta pronúncia, vi que nada, mas absolutamente não tem haver com o hebraico ou com o povo hebreu em geral, mas que tem sua origem na China, Japão, África Oriental e no Candomblé. Mas muitos “estudiosos” da “verdade” sobre as Escrituras hebraicas e a cultura hebraica, dizem que esta pronúncia YAO é hebraica, vamos ver então se é isso mesmo. Eis algumas provas de onde vem esta pronúncia YAO qual pronúncia muitos dizem ser hebraica e que o nome do Pai YHWH se pronuncia com este YAO, pessoas essas dizerem ter saído do sistema religioso. YAO, cidade japonesa da província de Osaka. Yao (八尾市 -shi) é uma cidade japonesa localizada na província de Osaka. Em 2003 a cidade tinha uma população estimada em 273 662 habitantes e uma densidade populacional de 6 561,06 h/km². Tem uma área total de 41,71 km².


Recebeu o estatuto de cidade a 1 de Abril de 1948. YAO (etnia) povo da china e sudeste asiático. Yao (em chinês tradicional: 瑶族; chinês simplificado: 瑶族; pinyin: Yáozú) é um grupo étnico que teve origem no sul da China. Eles formam uma das 56 nacionalidades oficialmente reconhecidas pela República Popular da China, e aproximadamente 3 100 000 pessoas, de acordo com o recenseamento chinês de 2010. YAO imperador governante chinês mítico. Yao (chinês tradicional: ; chinês simplificado: ; Pinyin: Yáo; Wade-Giles: Yao) (2358 - 2258 a.C.)[carece de fontes] foi um imperador chinês, um dos Três Augustos. Também conhecido como Taotang-shi (陶唐氏), ou Tang Yao (唐堯), nasceu em Yi Fangxun (伊放勳) ou Yi Qi (伊祁) e era o segundo filho do Imperador Ku e Qingdu (慶都).1 Enaltecido com frequência e considerado um rei sábio e moralmente perfeito, sua benevolência e diligência serviram como modelo para os futuros monarcas e imperadores da China. Os antigos chineses sempre mencionavam Yao, Shun e Yu como figuras históricas1 e, atualmente, historiadores acreditam que eles devem representar líderes de tribos aliadas, estabelecendo um sistema de governo hierárquico e unificado em um período de transição para a sociedade patriarcal feudal. No Livro da História, também conhecido como Shujing, um dos Cinco Clássicos, os capítulos iniciais falam sobre Yao, Shun e Yu. Segundo a lenda, Yao tornou-se governante aos 20 e morreu aos 119 anos de idade, quando passou o trono para o Grande Shun, a quem deu suas duas filhas em casamento. Yao fez previsões para os próximos 2000 anos. Andrew Chi-Chih Yao, um cientista informático. Andrew Yao (em chinês: Yao Chi-Chih, 姚期智, Yáo Qīzhì) (Xangai, 24 de dezembro de 1946) é um informático chinês. Foi agraciado com o Prêmio Turing de 2000, por suas pesquisas sobre teoria da computação, em especial a Complexidade computacional. Graduado em física pela Universidade Nacional de Taiwan. Doutorado em física pela Universidade Harvard, em 1972, e em informática, pela Universidade de Illinois, em 1975. Foi professor de informática na Universidade da Califórnia (1981-1982), na Universidade de Stanford (1982-1986) e na Universidade Princeton (1986-2004). Desde 2004 leciona na Universidade de Tsinghua. O povo waYAO da África Oriental. O WaYao, ou Yao, é um dos principais grupos étnicos e linguísticos com base no extremo sul do lago Malawi, que desempenhou um papel importante na história da África Oriental durante os anos de 1800. Os Yaos são predominantemente um grupo de povos muçulmanos de cerca de 2 milhões espalhados por três países, Malawi, Moçambique e Tanzânia e são um dos grupos mais pobres do mundo. O povo Yao tem uma forte identidade cultural, que transcende as fronteiras nacionais. História. Quando os árabes chegaram na costa leste da África eles começaram a negociar com o povo Yao, principalmente escravos e marfim, em troca de roupas e armas. Devido ao seu envolvimento neste comércio costeiro que se tornou uma das mais ricas e influentes tribos na África Austral. As grandes monarquias Yao nasceram como os poderosos chefes Yao tomaram o controle da província Niassa do Moçambique no século XIX. Durante esse tempo, o Yao começou mover-se da sua casa tradicional nos dias de hoje Malawi e Tanzânia, que resultou nas populações Yao que eles agora têm. O resultado mais importante do grande (chiefdoms) foi a volta da nação inteira ao Islamismo por volta da virada do século XX, e após a Primeira Guerra Mundial. Por causa do seu comércio com os Árabes, os chefes Yao (sultões) precisavam de escribas que pudessem ler e escrever o arábico. Os professores Islão que foram empregados e viviam nas aldeias Yao, teve um impacto significativo sobre o povo Yao, porque eles poderiam oferecer-lhes alfabetização, um livro sagrado, roupa inteligente e casas quadradas, em vez de redonda. Além disso, os sultões resistiram firmemente a regra colonial portuguesa, britânica e alemã, que era vista como uma ameaça importante para eles. Os britânicos, que eram vistos como cristãos como o Português, tentaram parar o tráfico de escravos, atacando algumas caravanas de escravos dos Yao perto da costa. Eles libertaram os escravos e confiscaram o marfim, que os escravos tinham transportado. A maior chefe Yao Mataka, decidiu tornar-se um cristão o que teria um impacto económico negativo sobre o seu povo, ao mesmo tempo lhes ofereceu um sistema social Islão, o que seria assimilar sua cultura tradicional. Devido à dominação política e ritual dos chefes, sua conversão ao Islão causou seus indivíduos a fazer o mesmo. O Islão, que eles adotaram, não é a religião ortodoxa, que é encontrada em países como o Irão, Iraque, Arábia Saudita, etc. Mas é totalmente misturada com o seu tradicional sistema de crenças animistas. É muitas vezes referido como "Folk Islam" (Islão popular ou folclórico). O Yao em Moçambique O Yao tem vivido no norte de Moçambique (formalmente África Oriental portuguesa). Olhando de perto a história do povo Yao de Moçambique como um todo mostrará que o seu centro geográfico etno está localizado em uma pequena aldeia chamada Chiconono, no noroeste moçambicano província do Niassa. Ativo como comerciantes de escravos para os árabes, eles enfrentaram declínio social e político com a chegada do Português na hoje província do Niassa, que estabeleceu a Companhia do Niassa, e estabelece-se na região fundando cidades e vilas, e trocando uma economia de comércio escravo para uma economia de produção. A expansão do Império Português tinha estabelecido postos de negociações, fortalezas e portos da África Oriental desde o século XV, em concorrência directa com o Império islâmico. A rota de especiarias, e a evangelização cristã foram as principais forças motrizes da expansão portuguesa na região. O Império Português foi em seguida, uma das maiores potências políticas e económicas no mundo. A corrida portuguesa para executar plantações agrícolas começou a expandir oferecendo pagamento à mão-de-obra das populações tribais. O Yao havia mudado o seu papel na sociedade local de comerciantes de escravos e proprietários de escravos trabalhadores agrícolas ao abrigo do Estado Português. No entanto, o Yao preservou sua cultura tradicional e agricultura de subsistência por conta própria. Tal como os muçulmanos, os Yao não podiam manter-se no modo de vida das populações cristãs, que no entanto, ofereceu educação cristã e ensinou o idioma Português para o grupo étnico muçulmano com pouco retorno. Atualmente, há um mínimo estimado de 450.000 pessoas Yao que vivem em Moçambique. Eles ocupam grande parte do leste e do norte da província do Niassa e dessa forma 40% da população de Lichinga, a capital desta província. O Yao fora de Moçambique O Yao mudou-se para o local que é hoje a região sul do Malawi por volta de 1830, quando eles estavam ativos como comerciantes de escravos para o tráfico negreiro swahili árabe na costa de Moçambique. Rica em cultura, tradição, e música, Yao são principalmente muçulmanas, e contam entre os seus descendentes um famoso ex-Presidente da República do Malawi, Bakili Muluzi. O Yao tinha laços estreitos com os árabes, na costa por volta de 1800, e adoptou algumas partes da sua cultura, tais como a arquitetura e o Islão, mas ainda manteve sua própria identidade nacional. A sua estreita cooperação com os árabes deram-lhes o acesso a armas de fogo, que lhes deu uma vantagem em termos de suas muitas guerras contra os povos vizinhos, como o Ngoni e os Chewa. O Yao ativamente resistiu as forças alemãs que foram colonizar o Sudeste da África (aproximadamente hoje, Tanzânia, Ruanda e Burundi). Em 1890, King Machemba emitiu uma declaração ao Comandante von Wissman dizendo que estava aberto ao comércio, mas não estavam dispostos a submeter-se a autoridade. Depois de outras obrigações, o Yao acabou rendendo-se as forças alemãs. Demografia O Yao fala uma língua bantu conhecida como Chiyao ( "Língua Yao", chi sendo a classe prefixo de "língua"), Achawa, Adsawa, Adsoa, Ajawa, Ayawa, Ayo, Ayao, Djao, Haiao, Hiao, Hyao, Jao, Veiao, ou Wajao; estimado em 1.000.000 de falantes em Malawi, 495.000, em Moçambique, e de 492.000 na Tanzânia. As nacionalidades tradicionais da pátria estão localizadas entre o rio Rovuma e o rio Lugenda no norte de Moçambique. Outras línguas principais do Malawi incluem Chichewa e Chitimbuka. Eles também falam a língua oficial dos países que habitam, Inglês em Malawi e Português em Moçambique. YAO Wenyuan, membro do Bando dos quatro Yao Wenyuan ( pinyin : Wenyuan, IPA : [jɑ̌ʊ wə̌nɥǎn] ; 1931, Zhuji , Shaoxing , Zhejiang - 23 de dezembro de 2005, Shanghai ) foi um chinês crítico literário, um político , e um membro da " Gang of Four "durante China Revolução Cultural . Biografia Yao Wenyuan nasceu de uma família intelectual da China. Seu pai, Yao Pengzi ( ) foi um escritor, tradutor e crítico de arte. Ele começou sua carreira em Xangai como crítico literário, onde se tornou conhecido por seus ataques afiados contra colegas, como em junho de 1957 contra o jornal Wenhuibao . Desde aquela época, ele começou a colaborar estreitamente com esquerdistas Xangai políticos, incluindo o chefe do Departamento de Propaganda da cidade, Zhang Chunqiao . Seu artigo "On the New histórica Ópera de Pequim" Hai Rui demitido do Office "(chinês:海瑞罢官; pinyin: Hai bà Guan), publicado no Shanghai diariamente Wenhuibao em 10 de novembro de 1965, lançou a Revolução Cultural . O artigo era sobre uma ópera popular, Wu Han , que era vice-prefeito de Pequim . Zhang Chunqiao e Jiang Qing temia o jogo poderia ser contra-revolucionário, porque paralelos pode ser traçada entre os personagens do jogo e funcionários do governo comunista. Na peça, Rui Hai, um oficial do governo, fala para os camponeses contra o governo imperial, criticando funcionários para hipocritamente oprime as massas fingindo ser homens virtuosos. Hai Rui é demitido por causa disso. Yao alegou que era um ataque codificado em Mao para demitir em 1959 o então ministro da Defesa Peng , um crítico da desastrosa de Mao Grande Salto Adiante . Confuso por este ataque inesperado, liderança do partido de Pequim tentou proteger Wu Han , proporcionando Mao o pretexto para uma "luta" em grande escala contra eles no ano seguinte. Yao foi logo promovido para o Grupo Revolução Cultural. Yao Wenyuan era um candidato ideal para a crítica de tal ópera por causa de seu passado socialista consistente. Em abril de 1969 entrou para o Politburo do Comitê Central do Partido Comunista da China , trabalhando em propaganda oficial. Um membro de "escritores proletários de pureza" que ele era o editor do principal jornal "Liberation Daily" de Xangai. Juntou-se os esforços do Estado para livrar da China União dos Escritores do famoso escritor Hu Feng . Em outubro de 1976, ele foi preso por sua participação na Revolução Cultural e condenado a 20 anos de prisão. Ele foi lançado em 23 de outubro de 1996, e passou o resto de sua vida a escrever um livro e estudar história chinesa. Ele morava em sua cidade natal, Xangai e se tornou o último membro sobrevivente da Gang of Four após Zhang Chunqiao morreu em abril de 2005. De acordo com o oficial da China Xinhua News Agency, ele morreu de diabetes em 23 de dezembro de 2005, aos 74 anos. YAO Ming, jogador de basquetebol. Yao Ming (chinês: 姚明, pinyin: Yáo Míng; nascido em 12 de setembro de 1980) é um jogador de basquetebol que atuava na NBA. Com 2.29 m de altura, ano de 2008, considerado um dos jogadores mais altos da história da NBA2 , atuando no time dos Houston Rockets. Foi a 1ª escolha do draft em 2002 pelo Houston. Em 2003 foi eleito o rookie do mesmo ano. Desde 2003 até 2007 participou em todos os All-Star Game. Devido a problemas causados por seguidas lesões, o pivô anunciou sua aposentadoria do basquete durante uma coletiva de imprensa realizada em 20 de julho de 20113 4 O anúncio gerou mais de 1 milhão de comentários na rede social chinesa Weibo.5 . Ao saber do anúncio, David Stern comentaria que Yao havia sido "a ponte entre Estados Unidos e China" e uma "extraordinária mistura de talento, dedicação e aspirações humanitárias". YAO, iniciantes do Candomblé. ìyàwó, Iyawô, Yao ou Iaô palavra de origem yoruba, é a denominação dos filhos-de-santo já iniciados na Feitura de santo, que ainda não completaram o período de 7 anos da iniciação. Só após a obrigação de 7 anos ele se tornará um Egbomi (irmão mais velho). Antes da iniciação são chamados de abíyàn ou abian, entretanto para os Filhos de Xangô é diferente, o único que se diferencia, que ele se torna um Egbomi e recebe seu Deká para ser um Babalorixá, aos 6 anos. Assim, ao invés de cumprir as obrigações de Baba que são 7, 14 e 21, os feitos em Xangô cumpre 6, 12 e 18. A pessoa passa a ser um Iaô ou yao após um período de vinte e um dias, recolhida no roncó (clausura), quarto específico e apropriado para se fazer iniciações e obrigações, e passar por todos os preceitos necessários para ser um iniciado. É durante os sete anos, que a pessoa vai aprender as rezas, as cantigas, os preceitos, os segredos só confiados aos iniciados do Candomblé.<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Vimos então que esta pronúncia YAO NADA tem haver com o povo hebreu e seu idioma, o hebraico. Mas porquê grupos de pessoas estão dizendo que muitos nomes hebraicos como: YAHUAH, Yahushua, Yeshayahu, Yirmiyahu, Elyahu entre outros que contém o nome do Pai são escritos e lidos assim: YAOhushua, Yirmiyaohu, Yeshayaohu, Elyaohu? Simples, a intenção deles é enganar e confundir mais inda as pessoas que verdadeiramente querem saber a verdade. Quando eles eram de denominações, viram que ganhar dinheiro dos outros é fácil contando mentiras que ao “saírem” mascaram mais uma vez a verdade com mentiras, mas nada está perdido, o Criador chama os seus e mostra-lhes a verdade que precisam saber. Esta pronúncia YAO não existe na cultura dos yahudim e nunca existiu, eu não encontrei até hoje algo que sustente essas afirmações do YAO ser pronúncia hebraica e sim chinesa, japonesa, africano oriental e no espiritismo como vimos e lemos. Tomem cuidado com essas pessoas que dizem ser uma coisa e na prática são totalmente outras. Existem alguns destes grupos que até tatuagens permanentes são feitas por estas pessoas com nomes e palavras hebraicas corrompidas com YAO por elas são feitas em suas peles. Aí eu pergunto: Onde está a verdade do Criador e do Salvador Enviado pelo Criador e Pai nestas pessoas? EM NENHUM LUGAR!

Nenhum comentário:

Postar um comentário